ALMOÇO / CONVÍVIO

ALMOÇO / CONVÍVIO

Os futuros almoços/encontros realizar-se-ão no primeiro Sábado do mês de Outubro . Esta decisão permitirá a todos conhecerem a data com o máximo de antecedência . .
.
.

C O M E N T Á R I O S
.
.
Margarida Araújo disse:
As fotografias tiradas não são desses piqueniques porque EU NUNCA FUI A ESSES PIQUENIQUES!
Mas fui a outros idênticos (eh, eh, eh)... com acampamento na época estival, nas dunas do Bom Sucesso e, por acaso, com banhos semelhantes a esses das toucas.
Explico: mal chegava o verão a Família Salles Henriques & Associados (Barreto, Gouveia, Brilhante, Magalhães, Rodrigues) acampavam no lado de lá da lagoa, numa zona dunar perto daquela que se refere no texto. Passei por lá vários anos felizes. Tenho a certeza que muito alunos do ERO também, Rogério Matias, Namy, Ana Buceta, Miguel BM e, ajudem-me, muitos outros que o poderão testemunhar como eu. Várias tendas familiares, organizadas de forma urbanísticamente equilibrada na malha dunar, um conjunto de cozinhas comunitárias e ainda uma chuveiro (balde de zinco com puxador para controle de água) e casa de banho em madeira, devidamente afastada do local, para um bom saneamento. Um ECO campismo. Fica aqui a minha gratidão a todos que me proporcionaram férias tão inesquecíveis. Idas às camarinhas, já em Setembro, pescas ao candeeio, com as bateiras cheias de miúdos, que por vezes adormeciam, e a luz do petromax a lembrar lanternas chinesas, correrias nas dunas e, claro, banhos na lagoa, no mar e no braço lagunar de que o JJ fala. Tomava-se balanço na descida, mergulhava-se de cabeça (o braço era fundo) e de vez em quando apareciam as ditas toucas (eh, eh, eh).
Em relação aos fatos de banho, venho aqui afirmar a possibilidade aqui destapada. Passo a explicar: pela mesma altura tinha um fato de banho - não era espanhol, mas também não foi comprado na Nobela, nem na Góia - branco com flores vermelhas. Pois nesse ano tive um bronzeado incomum, como se pode advinhar!!!!!!
...e o texto do João é quase tão bom como as fotografias (ih, ih, ih)e as fotografias são quase tão boas como o próprio local. Obrigada pelos os elogios às ditas e ao João, que nos vai proporcionando este avivar de memória cheio de graça e qualidade narrativa (fui clara?????)
bjs amigos. Guidó
.
Guida Barreto disse:
Foram de facto tempos muito felizes, inesquecíveis mesmo! Um grande bem haja à Guidó pelas belíssimas fotografias e comentários, que fazem parte do nosso imaginário do que foi uma infância espectacular!
Guida Barreto
.
Manuela Gama Vieira disse:
O Jales conseguiu, num golpe de asa, desmontar as “horrorosas” ideias que passavam pelas cabeças dos adultos. Imaginem que a propósito dos escaldões das meninas, até a qualidade da matéria-prima dos fatos de banho espanhóis- naquele tempo falava-se lá de controlo de qualidade- lhe veio à ideia para justificar o bronzeado (não previsto…). Fiquei asaber que, naquela época, “de Espanha nem bons ventos, nem bons casamentos”, nem bons fatos de banho, já para não falar nos caramelos…”ranhosos”!
Muito me impressionaram as alterosas ondas em plena…. “Aberta”- O Captain! My Captain!”- imagino as náuseas, os desequilíbrios, dos valentes e jovens marinheiros. Quem vai para o mar, avia-se em terra, é assim ou não é?
Ora as toucas…mas que complicações o Sr. Diogo, zeloso dos meninos e meninas que frequentavam a Tália, foi arranjar verificando aquela estranha forma de toucado… São toucas, senhor, são toucas, logo replicou o Jales!
Qual má-língua caldense, gente ociosa com mentes perversas, qual quê? Mitos! E se tu Jales, e Gerald M. Edelman me permitirem, atrevo-me a terminar assim:Cada acto de criação é, em certa medida, um acto de percepção. Cada acto de imaginação é, em certa medida, um acto de memória.
Muitos parabéns pelo que, com imenso talento, muito humor e…tanto salero, hoje trouxeste ao Cine-ERO!
Muitos parabéns à Margarida Araújo pelas lindíssimas fotografias!Pelo teus dotes de criação, imaginação e capacidade de comunicação,aqui vai o meu BRAVOOOO!!!
Manuela Gama Vieira
.
vitor b disse...
Este é o artigo do VERÃO 2009!Como é que estas histórias estavam guardadas na gaveta há tanto tempo?Só se foram mesmo as conversas do encontro de agosto a avivar tudo isto e seja essa a explicação.
Muito muito divertido e escrito com muito humor.Gostaria de saber uns nomes mas suponho que isso esteja fora de causa.....
As melhoras para as meninas do "escaldão",para os rapazes enjoados e quero saber onde arranjo uma cópia dessa fotografia!!!VB
.
Julinha disse:
Embora estivesse no encontro de Verão, confesso que me passou completamente ao lado a conversa da má língua!!!!
Eu, realmente, sou um pouco mais velha....Ah!!!! tenho apenas mais uns aninhos e, provavelmente, os intervenientes estariam com receio que eu fosse contar aos papás .....seria????
Como se pode ver pela magnifica descrição do JJ, com uma dose extraordinária de inocência (que eu lhe não conhecia) foi tudo um verdadeiro equivoco da época....portanto, papás dos meninos e principalmente meninas, estejam descansados pois o Jales repôs aqui toda a verdade nua e crua!
Um Abraço para todos
Júlia R
.
Isabel Esse disse...
O que eu me ri!!!As queimaduras,os enjoos dos marinheiros e os banhos de touca,uma velha tradição da Foz,mas também da Nazaré.
Mas que fique bem claro que EU NÃO FUI a NENHUM desses piqueniques :-)
Disse um dia destes que o blogue estava sensacional,nem sei o que mais diga hoje...
Bjs.IS
.
Belão disse...
Eu sempre achei que os fatos de banho espanhóis eram ranhosos..... A prova está aqui, neste post.
Quanto aos enjoos, também acho que é muito natural tal fenómeno durante a travessia da lagoa. Com ou sem álcool.
No que se refere aos banhos de touca, devo dizer que eram de certeza e mesmo, toucas. E havia delas giríssimas: lisas, às riscas (com lacinhos), às flores. Modelos ousados para a época, sobretudo nas cabeças dos meninos.
Adorei, João!
.
ze_mas disse...
Quando vi o título antes de iniciar a leitura até me interroguei se estaríamos perante uma especulação filosófica sobre o Verão e os ritos de passagem da juventude.
Depois ri-me com gosto,li duas vezes e descobri que,com humor e tudo,mas eu tinha razão!
Uma palavra mais para as fotografias de uma fotógrafa que não conheço pessoalmente mas que descobri a eprendi a apreciar neste blogue e depois no seu.
Parabéns.JJ:há mais histórias de onde vieram estas?Queremos o filme das nossas vidas aqui no Cine ERO(como diz a Manuela no seu EXCELENTE comentário)com um realizador de talento que nos lava a alma e alegra os dias.ZMS
.
Guida disse...
É incrível a capacidade de invenção e má língua de algumas pessoas. Só inveja e mau gosto! Não participavam nas coisas e depois arranjavam historietas para estragar a vida aos outros.
Mas já agora pergunto. Ondas na lagoa? Quando? Correntes, sim.
.
Luis disse:
Tem havido momentos assim no blogue mas deve ser preciso uma mistura mágica de recordações, imaginação,humor,capacidade de observação,que os tornam raros e preciosos.O JJ e o Faria têm sido os grandes responsáveis por eles - recordo o futebol dos Flinstones,o Dr Serafim e o Calhambeque,um teatro de Natal...
Ri-me,sozinho e sem amarras,nesta evocação criativa de um piquenique que recordo vagamente(será o mesmo?)mas que o JJ transformou numa das grandes recordações da minha adolescência.
Genial!
L
.
Guida Carvalho da Silva disse:
Muito bom! Fotos lindas e texto super divertido .... de repente lembrei-me de quando ia a pé pela praia de S Martinho, até Salir, só para depois subir e descer as dunas de Salir a rebolar até cá baixo... muito bom....
.
António J M disse...
Não comento tanto neste blogue como gostaria e como acho que merecia.
Mas há momentos em que não posso deixar de dizer alguma coisa como forma de retribuir o prazer que tenho ao visitá-lo.
Estas três Histórias retratam uma época de abertura de costumes,de confronto entre o Novo e o Velho de uma forma aparentemente ligeira,mas só aparentemente.e com um humor "inocente" que é irresistível e divertídissimo,do melhor que nos têm aqui oferecido.Abraço.A
.
Ana Carvalho disse:
Ai João, ainda bem que este assunto se esclareceu de uma vez por todas. Realmente explicado assim desta maneira acaba de uma vez por todas com as desconfianças de todos.
Realmente nesta terra sempre se inventou muita coisa, éramos umas crianças inocentes.... parece impossivel de certeza que com outro almoço se resolverão muito mais mistérios.
Bjs PP
.
jorge disse...
só hoje pude por em dia os posts.esta evocação da foz em que se misturam as naturais tropelias de uma nova geração com uma explicação naive dos acontecimentos merece todos os elogios!divertida e cáustica,arrasando a claustrofobia provocada pela má lingua caldense este é um dos momentos altos em humor e conteúdo do blogue.jorge

2 comentários:

ze_mas disse...

Quando vi o título antes de iniciar a leitura até me interroguei se estaríamos perante uma especulação filosófica sobre o Verão e os ritos de passagem da juventude.
Depois ri-me com gosto,li duas vezes e descobri que,com humor e tudo,mas eu tinha razão!
Uma palavra mais para as fotografias de uma fotógrafa que não conheço pessoalmente mas que descobri a eprendi a apreciar neste blogue e depois no seu.Parabéns.
JJ:há mais histórias de onde vieram estas?Queremos o filme das nossas vidas aqui no Cine ERO(como diz a Manuela no seu EXCELENTE comentário)com um realizador de talento que nos lava a alma e alegra os dias.ZMS

jorge disse...

só hoje pude por em dia os posts.esta evocação da foz em que se misturam as naturais tropelias de uma nova geração com uma explicação naive dos acontecimentos merece todos os elogios!divertida e cáustica,arrasando a claustrofobia provocada pela má lingua caldense este é um dos momentos altos em humor e conteúdo do blogue.jorge