ALMOÇO / CONVÍVIO

ALMOÇO / CONVÍVIO

Os futuros almoços/encontros realizar-se-ão no primeiro Sábado do mês de Outubro . Esta decisão permitirá a todos conhecerem a data com o máximo de antecedência . .
.
.

O PEUGEOT DA AVÓ ( epílogo )


.

resposta de João Hespanhol

..

Sobre o “Peugeot da Avó”, a história não ficaria completa, sem um epílogo mais ou menos feliz.
.
Antes de mais nada dou os meus parabéns ao meu amigo João Jales pela narrativa que fez de um de muitos episódios passados com o “peugeote”, como carinhosamente o tratávamos, não sei se para recompensar as saídas nocturnas de um carro que era mais velho do que nós e que estava em sossego na sua garagem privativa, mas vamos ao que interessa.
.
Na referida noite depois de ter ajudado a bater o recorde Foz – Caldas mal consegui pregar o olho a pensar na maneira de "descalçar esta bota"!

.
De manhã, logo que me foi possível sair de casa sem causar desconfianças, fui procurar o meu tio Francisco, que me aparava todas as maluqueiras, para lhe contar o sucedido e tratarmos de rebocar o automóvel para uma oficina. Não podia ser aquela perto da garagem, junto à taberna do papagaio, porque ficava muito perto de casa e o carro podia ser visto, tendo-se optado por uma outra que ficava junto à garagem Caldas.

.
Quando o carro lá chegou confirmou-se que era o semi-eixo partido e que a reparação levava alguns dias.

.
Pensava eu que a situação estava controlada, mas quando cheguei a casa a minha avó virou-se para o meu tio e disse-lhe que precisava do carro nessa tarde, para ir não me recordo aonde e tudo desabou! Mas mais uma vez o meu tio me safou dizendo que não podia ser, pois o carro precisava de ir para a revisão.

.
Nunca uma revisão tinha demorado tanto tempo e a minha avó ficou desconfiada que algo tinha acontecido ao carro, reforçada pelo facto de quando veio a conta a pagar comentou que nunca uma revisão tinha saído tão cara.

.
Depois disso e durante algum tempo, não muito, o “peugeote” ficou pacatamente na sua garagem privativa.

.
Um abraço

.
João Hespanhol



.

C O M E N T Á R I O S

.
Luisa disse:
"All is well that ends well", como escreveu Shakespeare...
Já agora posso perguntar se a fotografia é mesmo do carro de que falam e se foi tirada antes ou depois do acidente?L
.
Guida Sousa disse...
Se bem me lembro tinhamos ficado a meio de uma correria na estrada da Foz quando lemos a primeira parte da história!Afinal o João Hespanhol tinha "as costas quentes" com o tio que o protegia,não havia que recear...Não sei se foi de propósito mas resultou bem este contar da
história em duas partes com autores diferentes.
.
Julinha disse:
Perante esta estória,resta-me dizer........Pobre Avó !!!!!!
Júlia R
.
Dalila Garcia disse.
Quase todos tivemos um tio que nos ajudava nas nossas loucuras. Eu também tive. Faz hoje 15 anos que ele partiu inesperada e precocemente, por isso li esta passagem com alguma emoção. Enternecedor.

Haveria algum carro a salvo nessas redondezas naquela época? :-)
.
MJSousa disse...
Gostei muito de ver a fotografia do carro original que,pela matrícula,deve ser anterior a 1950!E que praia é esta?

Já o João Serra tinha aqui feito notar a quantidade de memórias que o seu conto fez aparecer a propósito destas escapadelas com os pópós da família,esperemos que venham mais!MJS

J J disse...
Quero agradecer ao João Hespanhol este "epílogo" ao meu post sobre o carro da sua avó.Espero que seja a primeira de mais intervenções dele neste Blog.

Respondendo às várias perguntas que me puseram (aqui e no Facebook) direi que:

- esta fotografia é mesmo do veículo em causa e é posterior à quebra do semi-eixo (deve ser de 1970).

- a matrícula indica que o Peugeot era de 1947/48.

- a praia parece a Consolação, mas só os retratados o podem confirmar.

- não houve qualquer combinação prévia, o João respondeu ao meu post quando viu que eu tinha abandonado o seu querido "peugeote" na Foz do Arelho...

- dos protagonistas, o João H e o Santiago Freitas (ou o Alexandre, há aqui uma dúvida) eram alunos da Escola, eu e o Miguel frequentávamos o ERO.

JJ


.

6 comentários:

Guida Sousa disse...

Se bem me lembro tinhamos ficado a meio de uma correria na estrada da Foz quando lemos a primeira parte da história!
Afinal o João Hespanhol tinha "as costas quentes" com o tio que o protegia,não havia que recear...
Não sei se foi de propósito mas resultou bem este contar da história em duas partes com autores diferentes.

MJSousa disse...

Gostei muito de ver a fotografia do carro original que,pela matrícula,deve ser anterior a 1950!E que praia é esta?Já o João Serra tinha aqui feito notar a quantidade de memórias que o seu conto fez aparecer a propósito destas escapadelas com os pópós da família,esperemos que venham mais!MJS

Anónimo disse...

"All is well that end well", como escreveu Shakespeare...
Já agora posso perguntar se a fotografia é mesmo do carro de que falam e foi tirada antes ou depois do acidente?Luisa

Anónimo disse...

.
Julinha disse:
Perante esta estória,resta-me dizer........Pobre Avó !!!!!!

Júlia R

Anónimo disse...

Quase todos tivemos um tio que nos ajudava nas nossas loucuras.
Eu também tive. Faz hoje 15 anos que ele partiu inesperada e precocemente, por isso li esta passagem com alguma emoção. Enternecedor. Haveria algum carro a salvo nessas redondezas naquela época? :-)
Dalila Garcia

J J disse...

Quero agradecer ao João Hespanhol este "epílogo" ao meu post sobre o carro da sua avó.Espero que seja a primeira de mais intervenções dele neste Blog.

Respondendo às várias perguntas que me puseram (aqui e no Facebook) direi que:

- esta fotografia é mesmo do veículo em causa e é posterior à quebra do semi-eixo (deve ser de 1970).

- a matrícula indica que o Peugeot era de 1947/48.

- a praia parece a Consolação, mas só os retratados o podem confirmar.

- não houve qualquer combinação prévia, o João respondeu ao meu post quando viu que eu tinha abandonado o seu querido "peugeote" na Foz do Arelho...

- dos protagonistas, o João H e o Santiago Freitas (ou o Alexandre, há aqui uma dúvida) eram alunos da Escola, eu e o Miguel frequentávamos o ERO.

JJ