ALMOÇO / CONVÍVIO

ALMOÇO / CONVÍVIO

Os futuros almoços/encontros realizar-se-ão no primeiro Sábado do mês de Outubro . Esta decisão permitirá a todos conhecerem a data com o máximo de antecedência . .
.
.

OH DR AZEVEDO !

por Júlia Ribeiro

.

.

.

.

.

Oh Dr. Azevedo!





Com que saudades o recordo....Tive-o como professor de Matemática do 1º ao 7º ano, de Geografia no 3º e de Desenho em vários anos.

Recordo-o como um grande e bom professor e como pessoa. Estou a vê-lo entrar na sala de aula, com a sua batinha branca pendurada no braço ou já vestida, umas vezes bem disposto, outras nem tanto... e o seu estado de espirito era imediatamente perceptivel.
.
Desculpem-me mas não consigo resistir a reviver alguns episódios passados com ele. Nos primeiros anos, como fazia colecção de lápis de propaganda (sim, agora são esferográficas, naquela altura eram lápis), não podiamos levá-los para as aulas que ele logo os surripiava.

Os "caldos" que os desgraçados dos rapazes levavam.....Coitado do João Mário Anjos, muitos levou! Segundo me informou a Drª Alda, como não podia "bater"nos alunos, dizia: "Olha que levas um caldo" e já estava dado...

Tantas estórias do Dr. Azevedo! Fazia-nos patifarias e divertia-se com isso, mas sem nos prejudicar, pelo contrário. Julgo que nos aproximava ainda mais!

No primeiro dia de aulas, no 4º ano, quando pensávamos que iríamos ter uma aula de apresentação, para irmos rápidamente para o recreio, como era habitual, tivemos um ponto de revisão de toda a matéria do 3ºano de Matemática. O resultado, como era de esperar, foi catastrófico: um Doze, quatro Quatros e os restantes tiveram todos Zero. Como foram notas no fim do período? O Dr. Azevedo conhecia-nos e, já nessa altura, nos dava as notas por uma avaliação continua, por isso essas notas iniciais não nos prejudicaram em nada, apenas serviram para percebermos que tínhamos que estudar !

No 5ºano as turmas eram separadas, meninas e meninos. Ao sábado os rapazes tinham Matemática na 1ª hora da manhã no anfiteatro e nós na última hora na sala de aula em frente ás escadas. Neste intervalo, tinhamos Religião e Moral e Canto Coral com o Padre António Emilio. Está-se mesmo a ver que muitas destas aulas eram substituidas por grandes jogos de ringue "ao mata". Ora num desses sábados o Dr. Azevedo resolveu fazer ponto de Matemática aos rapazes. Os pontos não eram avisados mas quando uma turma tinha ponto, a outra, quase de certeza que tinha também. Imaginem-nos então a estudar, talvez a ver o maldito Palma Fernandes, dum lado para o outro no nosso recreio e o Dr. Azevedo a gozar o panorama.... Uma característica do Dr. Azevedo era que escrevia o enunciado dos pontos no quadro e, nesses dias, já estava na sala quando nós entravamos. Nesse preciso sábado, enquanto íamos subindo as escadas, já estávamos a vê-lo na sala. Casualmente, eu era a primeira e olhei para o quadro, pensando vê-lo com polinómios, equações e outras operações. Mas o quadro estava pretinho, sem qualquer amostra de giz. Todas iamos entrando e imaginem as nossas caras! Que estranho! O Dr.Azevedo perguntou com aquele seu ar: "Mas o que se passa? Estão com medo de entrar?" Foi mais uma das suas partidas....Fazia-nos destas, mas eu sempre as interpretei como mais uma "brincadeira à Dr. Azevedo"...

Estas foram algumas das muitas "maldades" que nunca esqueci, mas perdoo-lhas todas, pelo prazer de o ter tido como professor durante os 7 anos que frequentei o ERO. Com certeza o Dr. Azevedo não podia deixar de ter também uns versos feitos pela nossa poetisa da turma, a Manuela Carvalh
Dr.Azevedo, muito obrigado por tudo o que me ensinou. Fui para um curso de Ciências e a si lhe devo muito do que sou.


Júlia R
.
..................................................................................................................
COMENTÁRIOS
.
João Ramos Franco disse:
Sei que tive um professor a Desenho Geométrico que era muito exigente na limpeza e manutenção do equipamento do estojo de Desenho. Não te recordas se seria o Dr. Azevedo? Um abraço. JRF
.
João Jales disse:
Não posso responder ao João R F porque não tive o Dr. Azevedo como prof de desenho. Mas o dr. Lopes também era muito exigente com a manutenção do material, suponho que fizesse parte da função impedir que o desleixo natural dos adolescentes degradasse os transferidores,compassos e tira-linhas.
Quanto ao texto parece que a Júlia vai tirando memórias da "cartola" cada vez com mais facilidade e as vai partilhando com um também crescente à vontade. Esta série vai ficar a dever-lhe muito, tanto em colaborações como em entusiasmo e empenho.
A recordação da Júlia é muito cor-de-rosa, nem todas as "maldades" do Dr. Azevedo (como ela diz) teriam o tom recreativo em que são aqui descritas. Virá a propósito reler um texto anterior em que isso é referido :
.
Luis António disse:
Revejo melhor o Dr. Azevedo no depoimento da Júlia do que na descrição daquelas aulas de Matemática em que os alunos resolviam problemas do Palma Fernandes enquanto o professor se embrenhava num mapa da Rússia...só faltava ouvir os passarinhos lá fora!Não estará o João Licinio a fazer confusão,não seriam essas pacíficas aulas em Faro ou Setúbal?
A Júlia,que não conheço,tem sido uma das tuas melhores colaboradoras,já realcei na altura o belo escrito sobre a Praça da Fruta.Parabéns.
.
Manuela Gama Vieira disse:
Resta dizer, relativamente ao Dr.Azevedo, que foi meu explicador e guardo dele as melhores recordações, nunca lhe conhecemos, eu e meus irmãos, a faceta dos "caldos".
.

2 comentários:

João Ramos Franco disse...

Sei que tive um professor a Desenho Geométrio que era muito exigente na limpeza e manutenção do equipamento do estojo de Desenho. Não te recordas se seria o Dr. Azevedo?
Um abraço
João Ramos Franco

Manuela Gama Vieira disse...

Bem, já passaram tantos anos, que uma cirurgia plástica às recordações, tornando-as mais "cool"...já não deve "fazer mal" a ninguém.
Claro que agora espero por um artigo teu, acerca de um personagem igualmente "COOL"...O Director, que tanto apreciaste.
Resta dizer, relativamente ao Dr.Azevedo, que foi meu explicador e guardo dele as melhores recordações, nunca lhe conhecemos, eu e meus irmãos, a faceta dos "caldos".