ALMOÇO / CONVÍVIO

ALMOÇO / CONVÍVIO

Os futuros almoços/encontros realizar-se-ão no primeiro Sábado do mês de Outubro . Esta decisão permitirá a todos conhecerem a data com o máximo de antecedência . .
.
.

C O M E N T Á R I O S :
A HOMENAGEM E O HOMENAGEADO


08-06-2008

Guidó disse:
Gostei muito de ter estado no almoço do "Jeca". Estava ali por duas razões.
A primeira por ser sua amiga. Uma amizade que vem do tempo da infância, recuada num tempo que me era contado (colega da minha mãe no 6º e 7º ano do Colégio Ramalho Ortigão e amigo do meu tio).
Do que o Zéquinha falou - discurso admirado por todos - relembrei a faceta do António José Lopes de "homem do mar", velejador, de como conjugou bem as artes de velejar com as artes da vida. O Zéquinha relembrou como se "navega à bolina": procurando vento de feição, ziguezaguendo contra o vento, procurando seguir um rumo.
Na vida como no mar!
Não sabia que António José era um formidável contador de histórias. Contou humildemente a sua. Houve lágrimas e sorrisos. E risos, muito risos. Até ficámos a saber que o Mário Gonçalves tinha desperdiçado uma carreira de Boxeur!?
A segunda razão da minha presença era, e foi, para ajudar em campo o João Jales na área de registo fotográfico. Como dizia um fotógrafo que admiro muito "fotografar é reconhecer, ao mesmo tempo e numa fração de segundo, um evento e a organização rigorosa das formas percebidas visualmente e que expressam esse evento. É reunir, no mesmo ponto de vista, a cabeça, o olhar e o coração" (Cartier-Bresson).
Espero que as fotografias que poderão ver amanhã reflictam o meu ponto de vista e o coração de todos nós.
Um beijo especial ao "Jeca", à Elisa Maria, Paula e Sami e a toda a restante familía.
Um beijo carinhoso a todos os amigos que estiveram presentes.
E outro ao João Jales que sabe tão bem trabalhar com a sua "quadrilha" (Magister
António José Lopes dixit).
Foi assim uma coisa simples e boa e...
....preciosa!

Guidó (Margarida Araújo)

.
08-06-2008
João Serra disse.
Também me associo ao agradecimento público ao João Jales e a esta iniciativa de homenagem ao Dr. Figueiredo Lopes. Como disse o Pereira da Silva, o professor Figueiredo Lopes representa o que de melhor houve no ensino que pudemos ter. Como disse o Dr. Mário Gonçalves, o Dr. Figueiredo Lopes representa o que de melhor a natureza humana tem para oferecer. Foi um privilégio estar presente naquela celebração. Ouvir o Dr. Figueiredo Lopes foi ouvir uma lição de clareza e simplicidade, de generosidade e gosto pela vida (e que vida!). Um abraço. João Serra
.
08-06-2008
Higino Rebelo disse:
Não me foi possível ir ao almoço de homenagem ao Sr. Dr. Figueiredo Lopes mas bem gostaria de ter participado nele e ter podido dar-lhe um sentido abraço. Não foi meu professor mas mesmo sem saber quem eu era e por que acompanhava com os seus alunos sempre me tratou com cordialidade. Cordialidade com que igualmente me veio a tratar quando fomos contemporâneos na "AUDIO MAGNETICS". Mais tarde fomos vizinhos e uma sua neta é amiga da minha filha Noémia. Posso mesmo dizer que o Sr. Dr. Figueiredo Lopes foi sempre para mim um modelo de cidadão a seguir. Por tudo isto deixo-lhe aqui a minha pública homenagem e um sentido abraço.
.
08-06-2008
Óscar disse:
Dia em cheio que me levou a lamentar ainda mais não ter podido estar presente no almoço de Novembro passado.
A par da merecidíssima homenagem ao dr. Lopes, brilhantemente ilustrada pela oratória do Zequinha e pela afectuosa intervenção dodr. Mário Gonçalves, tive a oportunidade de (re)conhecer alguns colegas do colégio, em relação aos quais, muito sinceramente, poderia cruzar-me com eles sem os cumprimentar por não fazer a mínima ideia de quem eram. Em relação a outros tive aquela pouco cómoda sensação de não ser capaz de colar os respectivos nomes às fisionomias de que me lembrava muito bem.
Como a consulta diária do blog se tornou uma rotina imprescidível, fico a aguardar novas iniciativas do género, permitindo-me sugerir que um próximo homenageado pudesse ser o Padre Xico.
Parabéns e obrigado ao núcleo duro do blog e em especial ao João Jales.
Bem hajam
Oscar Oliveira

.
08-06-2008
Isabel disse:
Acabei de ver as excelentes fotografias do almoço .
Mesmo longe consigo "provar" do ambiente acolhedor e amigável que predominava .
Gostei imenso de ver o D. Lopes e a sua Familia , assim como muitos ex-colegas e pessoas conhecidas, que há já muito tempo não via.
A mesa das prendas, as flores, a fotografia da condecoração, a caricatura... tudo a contribuir para um acontecimento, que vai ficar no Quadro de Honra das memórias do ERO.
"Top" classe!Adorei!
Bjs
Isabel Caixinha
P.S. E para acabar o dia na perfeição tivemos aquela bem merecida vitória de Portugal no futebol!!!
.
09-06-2008
Guida Barreto disse:
"Dr. Figueiredo Lopes,
Foi consigo que aprendi a gostar de Matemática, principalmente Álgebra. Lembro-me do seu entusiasmo nas aulas, a paixão com que ensinava e a facilidade com que nos transmitia os conceitos básicos do raciocínio matemático, tão importante em todas as áreas da Vida.
Muito por sua causa, "quase" fui para um curso superior na área da Matemática. Apenas porque uma nova paixão, transmitida por professor igualmente inspirador, apareceu no 6ª ano - a Psicologia - optei por um Curso Superior nesta área.
Bem Haja! Um abraço amigo
Com admiração,
Margarida Barreto"
.
09-06-2008
Tó-Quim disse:
Este almoço teve dois grandes objectivos - a homenagem ao Dr. Lopes, que muito nos ensinou matemática e geometria descritiva e voltar a ver colegas do ERO.
Só não esperava é que voltasse às minhas antigas funções - ser tesoureiro - tal como o fiz quando fomos finalistas.
Não quero deixar de dar os parabéns ao Jales pela brilhante ideia de organizar estes almoços de homenagem e confraternização. Já agora, como foi já foi dada a ideia, fazer uma grande homenagem ao Padre Xico.
Também quero dar os parabéns ao Zeca Pereira da Silva pela grande lição que nos deu no seu discurso de homenagem.
António Fialho Marcelino - Tó-Quim

.
09-06-2008
Zé Carlos Faria disse:
O Dr. Lopes foi um dos primeiros professores que tive no ERO; primeiro em Desenho Geométrico, mais tarde a Geografia. Nas duas disciplinas retive dele uma capacidade pedagógica notável, que se manifestava mesmo em pequenos detalhes. Apenas um exemplo: apanhado eu em flagrante e descaradíssima (de tão canhestra) tentativa de copianço, fui naturalmente repreendido, mas pude concluir o «ponto» na condição de vir a ser chamado na próxima aula. Como é óbvio, tive que estudar tudo muito bem e de cabo a rabo, desde logo porque para triste figura minha já bastava o sucedido!... Em vez da anulação pura e simples do teste e da aplicação até às últimas consequências do regime de magister dixit, optou astuciosamente por um expediente que me obrigou a ficar a saber de vez a matéria.
Porém, no meu caso particular, onde mais alto brilhou a intervenção didáctica do mestre, foi, sem dúvida, no Desenho. Levar um pobre desajeitado e descoordenado motor que nem eu, suposto de lidar asseada e correctamente com régua e compasso, esquadro e transferidor, que induziam traços rigorosos por afiadas minas de grafite e tira-linhas impregnados de tinta-da-china, a um nível de execução não conspurcado por um rasto de asneiras conceptuais e borrões instrumentais, foi Obra! E se no Desenho à vista estaria safo (tive 18, então!) já na vertente Geométrica o caso era diferente para muito pior. Os, à partida, altamente improváveis 15 valores do exame oficial (cotação equivalente ao cume do Everest na planura com vales que era o gráfico da minha caderneta escolar) demonstram, com clareza, a qualidade extraordinária do ensinamento a que fui sujeito. Tarefa espinhosa, acredite-se: assim como treinar um amblíope para uma medalha no tiro aos pratos!...
.
09-06-2008
Belão disse:
Se houve professores que marcaram pela positiva os alunos do ERO, um deles foi sem dúvida o Dr. Lopes. Positiva é que já não era a minha prestação a Matemática. Mas com a sua paciência e o seu saber de como lidar com a petizada, lá me foi incutindo aquela velha máxima " na matemática é mesmo preciso trabalhar, fazer exercícios". E aprendi. Aprendi matemática e aprendi que ensinar é muito mais que transmitir conhecimentos.
Ainda hoje recordo o dia em que ao receber um ponto, ouvi: "finalmente positiva"! Era um 11! Mas era positiva. Acho que ele a festejou mais entusiasticamente que eu. Felizmente que no Desenho Geométrico a conversa era outra e desenrascava-me bem.
O tempo passou, não segui Matemática após o 5º ano (como era de prever!) mas hoje sou professora e devo dizer que, embora com alunos de palmo e meio a quem também ensino Matemática, recordo muitas vezes o amigo António José Lopes, o professor Dr. Lopes e aquela frase " na Matemática é mesmo preciso trabalhar, fazer exercícios".
Obrigada professor.Obrigada amigo António José.
Um beijinho
Belão

11-06-2008
Luís disse:
Lamento não ter podido estar presente no almoço de homenagem ao Dr Lopes.
Sei que serei apenas mais um, como será mais um também este pequeno contributo no meio do surpreendente número de testemunhos já publicados no Blogue, para além dos que certamente se fizeram sentir durante o evento.
À distância de 30 anos, para além de uma memória concreta que relatei numa das minhas primeiras intervenções no blogue, relativa à forma como o Dr Lopes nos mergulhou no universo do espaço multidimensional e nos levou à compreensão dos conceitos usando linguagem e imagens simples, confesso que não consigo reproduzir factualmente, e sobretudo com a riqueza dos detalhes, episódios como os tão bem relatados pelos comentadores que me antecederam.
Mas sinceramente não é essa a vertente que me motivou a escrever estas linhas. O que me toca profundamente, e é afinal denominador comum de todas as intervenções, é que o Dr Lopes faz parte daquele reduzido número de pessoas que temos oportunidade de encontrar na fase mais sensível da nossa formação escolar e humana e deixa uma marca indelével pela vida fora.
Não foram apenas os conhecimentos que nos transmitiu ou o maior ou menor sucesso que nos ajudou a ter nas disciplinas que leccionou que nos avivam hoje a memória no momento de o reconhecer publicamente. É sobretudo a lembrança de alguém que nos ajudava a ter gosto por aprender, evitando a pose magistral tão típica daquele tempo. Numa época em que rigor era confundido com distância e frieza, disciplina com privação e inflexibilidade, aprendizagem com aceitação sem sentido crítico, o Dr Lopes foi o agricultor que deitou à terra muitas das sementes mais estimulantes que viriam a germinar muitos anos mais tarde em cada um dos que tiveram o privilégio de ser seus alunos.
Até pelos longos anos em que os nossos caminhos não se cruzaram, não desperdiçarei agora a oportunidade de lhe deixar uma palavra justa que talvez nunca lhe tenha dirigido:
OBRIGADO!
Luís Filipe Flores A. Santos

1 comentário:

oscoliv disse...

Dia em cheio que me levou a lamentar ainda mais não ter podido estar presente no almoço de Novembro passado.
A par da merecidíssima homanagem ao dr. Lopes, brilhantemente ilustrada pela oratória do Zequinha e pela afectuosa intervenção dodr. Mário Gonçalves, tive a oportunidade de (re)conhecer alguns colegas do colégio, em relação aos quais, muito sinceramente, poderia cruzar-me com eles sem os cumprimentar por não fazer a mínima ideia de quem eram. Em relação a outros tive aquela pouco cómoda sensação de não ser capaz de colar os respectivos nomes às fisionomias de que me lembrava muito bem.
Como a consulta diária do blog se tornou uma rotina imprescidível, fico a aguardar novas iniciativas do género, permitindo-me sugerir que um próximo homenageado pudesse ser o Padre Xico.
Parabéns e obrigado ao núcleo duro do blog e em especial ao João Jales.
Bem hajam
Oscar Oliveira