ALMOÇO / CONVÍVIO

ALMOÇO / CONVÍVIO

Os futuros almoços/encontros realizar-se-ão no primeiro Sábado do mês de Outubro . Esta decisão permitirá a todos conhecerem a data com o máximo de antecedência . .
.
.

AS FÉRIAS DA GUIDÓ NAS CALDAS (3º episódio) )



Postais das Caldas III

Olá amigos

Este ano estive muito mandriona e só agora no fim das férias vos digo o que tenho feito.
Banhocas na Foz, às vezes na Lagoa, passeios ao Bom Sucesso (do outro lado da Lagoa) para piquenicar e trazer sempre lindas hortenses, Parque à tarde com os meus pais, o meu tio, ou os meus avós, brincadeiras com amigos. Damos de vez em quando passeios na região, como por exemplo este que fizemos a Paredes de Vitória, Pataias. O grupo da minha mãe é bem divertido. Da parte da manhã: praia. Com banhos e brincadeiras como esta. Este é o meu amigo Rogério Matias, o pai do Geroca que já conheces. Tem este sorriso maroto. Pegou na Nami (é a que está à direita), pegou na Paula Crespo (a que está à esquerda) e em mim, que não tenho medo das alturas, no pescoço. Depois rodava, rodava, com se fosse os carrosséis da Feira do 15 de Agosto ou da Feira Popular, em Lisboa.

Vou comer uma bola de Berlim e uma laranjada fresquinha.

Até breve

Guidó
.
(Paredes de Vitória, Setembro de 1961)
..........................................................................................................
C O M E N T Á R I O S
.
Manuela Gama Vieira disse:
Parabéns!Felizes "memórias de infância"!
.
João Jales disse:
Estas imagens da Guidó são deliciosas e revelam de quem ela herdou o gosto pela fotografia, da sua Mãe .
Para quem queira ver o que ela faz do outro lado da máquina fotográfica, pode visitar:
-
João Ramos Franco disse:
Procurei no Blog da Margarida Araújo (Guidó),100SentidoComSentido, encontrar um elo de ligação com a sua infância, que retrata nas Férias. Do Blog lá tirei o "Limpo Palavras" , penso seja a melhor forma de quem recorda a sua infância tentar escrever sobre a dos outros, dando valor aos retratos que vê. Em 1961 já tinha 19 anos, agora a diferença já não se nota.
João Ramos Franco


"Limpo Palavras"
Limpo palavras.
Recolho-as à noite, por todo o lado:
a palavra bosque, a palavra casa, a palavra flor.
Trato delas durante o dia
enquanto sonho acordado.
A palavra solidão faz-me companhia.

Quase todas as palavras
precisam de ser limpas e acariciadas:
a palavra céu, a palavra nuvem, a palavra mar.
Algumas têm mesmo de ser lavadas,é preciso raspar-lhes a sujidade dos dias
e do mau uso.
Muitas chegam doentes,outras simplesmente gastas,
estafadas,dobradas pelo peso das coisas
que trazem às costas.

A palavra pedra pesa como uma pedra.
A palavra rosa espalha o perfume no ar.
A palavra árvore tem folhas, ramos altos.
Podes descansar à sombra dela.
A palavra gato espeta as unhas no tapete.
A palavra pássaro abre as asas para voar.
A palavra coração não pára de bater.
Ouve-se a palavra canção.
A palavra vento levanta os papeis no ar
e é preciso fechá-la na arrecadação.

No fim de tudo voltam os olhos para a luz
e vão para longe,
leves palavras voadoras
sem nada que as prenda à terra,
outra vez nascidas pela minha mão:
a palavra estrela, a palavra ilha, a palavra pão.

A palavra obrigado agradece-me.
As outras não.
A palavra adeus despede-se.
As outras já lá vão, belas palavras lisas
e lavadas como seixos do rio:
a palavra ciúme, a palavra raiva, a palavra frio.

Vão à procura de quem as queira dizer,
de mais palavras e de novos sentidos.
Basta estenderes a mão para apanhares
a palavra barco ou a palavra amor.
Limpo palavras.
A palavra búzio, a palavra lua, a palavra palavra.
Recolho-as à noite, trato delas durante o dia.
A palavra fogão cozinha o meu jantar.
A palavra brisa refresca-me.
A palavra solidão faz-me companhia.

ÁLVARO MAGALHÃES
O Limpa-Palavras e Outros Poemas

1 comentário:

Manuela Gama Vieira disse...

Parabéns!
Felizes "memórias de infância"!